wrapper

logo min

pten
Steven Rice

Steven Rice

A nossa jornada cultural

Como um veterano de 30 anos de recursos humanos, desenvolvi um amor em promover o máximo potencial de funcionários dentro de cada organização onde trabalhei - e a Fundação Gates não é diferente. Há muitas semelhanças entre as experiências que tive ao longo da minha carreira, uma das quais é a profunda paixão pelas pessoas, e o poder da cultura organizacional.

Na Fundação Gates, não estou sozinho na tentativa de alavancar a nossa cultura para obter o máximo. A nossa CEO, Sue Desmond-Hellmann, faz dela a prioridade número 1 e Bill e Melinda também se comprometeram com a nossa cultura interna. Toda a equipa de RH e eu concordamos fortemente que fazer da fundação um lugar onde as pessoas mais talentosas possam prosperar pessoal e profissionalmente é essencial para o nosso sucesso a longo prazo.

Como ponto de partida, recrutámos os nossos 1.400 funcionários em todo o mundo. Os resultados sugerem que, embora estejam muito comprometidos com a nossa missão, às vezes, acham difícil realizar o trabalho. Com base na minha experiência anterior, sabia que precisávamos de fazer uma mudança rápida. Então, colectivamente, como uma fundação, comprometemo-nos em melhorar a maneira como trabalhamos e como nos tratamos como colegas.

Um novo papel sobre a nossa jornada cultural detalha como os líderes da fundação e vários colegas subsequentemente desenvolveram, patrocinaram e implementaram práticas inovadoras para a criação de uma melhor cultura. A minha esperança é que outras organizações possam aprender com o que encontramos e com o que estamos a melhorar.

Uma parte fundamental deste processo foi o desenvolvimento dos quatro acordos, pontos focais com a nossa identidade cultural. Ajudaram a criar novos tipos de conversas e decisões que antes eram desconhecidas. Por exemplo, Bill e Melinda pediram uma orientação específica sobre mudanças que poderiam fazer. Como resultado, pediram às equipas que partilhassem créditos e reconhecessem as realizações do grupo; para promover a confiança, empoderavam o risco e encorajavam as equipas a aprender com o fracasso. Essa liderança permitiu que o resto de nós se sentisse à vontade para mudar a forma como trabalhamos e como nos tratamos mutuamente.

Mas nem tudo é bom. Lutamos, continuamos a fazer perguntas, aprendemos mais e pressionamos para ter melhorias. A cultura é cada vez mais entendida como fazemos nosso trabalho - não uma actividade ou iniciativa separada. Cultura é como as doações da fundação: são concedidas e gerenciadas, como operamos internamente, como envolvemos os nossos parceiros e, em última análise, como teremos o melhor impacto possível no mundo. Sei que a jornada acabou de começar, estou empolgado em saber até onde chegamos e como cada funcionário está comprometido em melhorar a maneira como trabalhamos juntos.

Read more...

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao