wrapper

logo min

pten

Quando a União Soviética implodiu em 1991, o Partido Comunista da China (PCC) ficou obcecado por entender as razões. O governo atirou as culpas para Mikhail Gorbatchev, considerando que o líder reformista não foi suficientemente implacável para manter a União Soviética unida. Mas os dirigentes chineses também destacaram outros factores importantes, aos quais nem todos os líderes da China parecem estar atentos.

A China levou a sério a primeira lição fundamental: o forte desempenho económico é essencial para se ter legitimidade política. E o foco obstinado do PCC em estimular o crescimento do PIB nas últimas décadas produziu um ‘milagre económico’, com um rendimento ‘per capita’ a subir rapidamente de 333 dólares em 1991 para os 7.329 dólares o ano passado.

Supervisionar uma economia vacilante não foi o único erro cometido pelos líderes soviéticos. Também foram empurrados para uma corrida armamentista dispendiosa com os EUA e foram vítimas de uma ambição imperial, dando dinheiro e recursos a regimes com pouco valor estratégico e com longos registos de má administração económica. À medida que a China entra numa nova ‘guerra fria’ com os EUA, o PCC parece estar em risco de repetir os mesmos erros catastróficos.

À primeira vista, pode não parecer que a China esteja realmente engajada para entrar numa corrida armamentista com os EUA. Afinal, o orçamento oficial de defesa da China para este ano – cerca de 175 mil milhões de dólares - equivale a apenas um quarto do orçamento de 700 mil milhões de dólares aprovado pelo Congresso dos EUA. Mas estima-se que os gastos militares reais da China sejam muito mais altos do que o orçamento oficial. De acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo, a China gastou 228 mil milhões de dólares o ano passado, cerca de 150% do valor oficial. Em qualquer caso, a questão não é a quantidade de dinheiro que a China gasta em armas, mas sim o aumento consistente de gastos militares, o que implica que o país está preparado para entrar numa guerra de longo prazo com os EUA. No entanto, a economia chinesa não está equipada para gerar recursos suficientes para sustentar o nível de gastos que essa frente exigiria para obter uma vitória.

Se a China tivesse um modelo de crescimento sustentável, que suportasse uma economia altamente eficiente, poderia conseguir uma corrida armamentista moderada com os EUA. Mas não tem.

O crescimento da China deverá continuar a desacelerar, devido ao rápido envelhecimento da população, aos altos níveis de endividamento, ao desfasamento de maturidade e à escalada da guerra comercial iniciada pelos EUA. Tudo isso vai secar os recursos já limitados. Por exemplo, à medida que o rácio de dependência dos idosos aumenta, também aumentam os custos com cuidados de saúde e pensões.

Além disso, embora a economia chinesa possa ser muito mais eficiente do que a economia soviética, não é tão eficiente como a dos EUA. A principal razão para isso é a influência duradoura das empresas estatais chinesas (SOE), que consomem metade do crédito bancário total do país, mas contribuem com apenas 20% do valor agregado e do emprego.

O problema para o PCC é que as empresas estatais desempenham um papel vital na manutenção do regime de partido único, uma vez que são usadas para recompensar quem é leal e para facilitar a intervenção governamental em nome das metas macroeconómicas oficiais. O desmantelamento dessas firmas, inchadas e ineficientes, equivaleria a um suicídio político. No entanto, protegê-las pode simplesmente retardar o inevitável, porque, quanto mais tempo conseguirem sugar recursos escassos da economia, mais inacessível será uma corrida armamentista com os EUA - e maior será o desafio à autoridade do PCC.

A segunda lição que os líderes chineses ainda não conseguiram apreciar adequadamente é a necessidade de evitar a ambição imperial. Cerca de uma década atrás, com os ‘superávits’ comerciais em massa a trazerem um excesso de moeda forte, o governo chinês começou a assumir compromissos onerosos no exterior e a subsidiar ‘aliados’ inactivos.

A China criou um programa de um trilião de dólares, focado na construção de infra-estruturas financiadas por dívida em países em desenvolvimento. Apesar dos primeiros sinais de problemas - que, juntamente com a experiência da União Soviética, deveriam acautelar o PCC - a China parece estar determinada a avançar com esse programa, que os líderes do país estabeleceram como um pilar de sua nova ‘grande estratégia’.

Um exemplo ainda mais notório da ambição imperial é a generosa ajuda da China a países - do Camboja à Venezuela e à Rússia - que pouco oferecem em troca. De 2000 a 2014, Camboja, Camarões, Costa do Marfim, Cuba, Etiópia e Zimbábue, juntos, receberam 24,4 mil milhões de dólares em doações chinesas ou em empréstimos altamente subsidiados. No mesmo período, Angola, Laos, Paquistão, Rússia e Venezuela receberam 98,2 mil milhões de dólares.

Agora, a China comprometeu-se a fornecer 62 mil milhões de dólares em empréstimos para o ‘Corredor Económico China-Paquistão’. Este programa vai ajudar o Paquistão a enfrentar a crise da balança de pagamentos, mas também vai secar os cofres do governo chinês num momento em que o proteccionismo comercial ameaça o seu reabastecimento.

Como a União Soviética, a China está a pagar muito caro para ter alguns amigos, obtendo apenas benefícios limitados enquanto fica cada vez mais entrincheirada numa corrida armamentista insustentável. A Guerra Fria sino-americana mal começou, mas a China já está a caminho de a perder.

 

Minxin Pei, professor de Economia no Claremont McKenna College e autor do livro ‘Capitalismo de amigos da China’

Last modified on segunda, 10 setembro 2018
 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao