wrapper

logo min

pten

Entre a escalada de disputas comerciais e as divisões no G7, há um aparente colapso da governação global. Não se pode continuar a acreditar que os EUA mantenham, muito menos reforcem, regras, e não se pode presumir que os países concordem, muito menos adiram, a um conjunto comum de normas. Isso significa que a ordem mundial baseada em regras está condenada?

Nas últimas sete décadas, os valores democráticos sustentaram os esforços, liderados pelos EUA e pela Europa, para aprofundar a cooperação internacional. Desde o fim da Guerra Fria, quando o Ocidente reivindicou vitória da democracia liberal, líderes norte-americanos e europeus frequentemente citaram “valores partilhados” na NATO e no G7 (conhecido como G8 até a Rússia ser suspensa em 2014 por violar esses valores na Ucrânia).

Mas o mundo mudou. A Rússia não precisa de fazer parte do clube dos ‘vencedores’ da Guerra Fria para promover interesses geoestratégicos. A China nunca foi membro e, no entanto, alcançou o ‘status’ de grande potência mundial. Esses países, junto com outras grandes economias emergentes, desafiam cada vez mais o domínio geopolítico que o Ocidente pensava ter assegurado.

Ainda mais potente, no entanto, é o desafio que vem de dentro do próprio Ocidente, onde forças políticas ‘anti-establishment’ nos EUA e na Europa vão ganhando terreno ao contestar valores e formas de cooperação.

Apesar do Brexit, no Reino Unido, e da diplomacia unilateral e das tarifas comerciais dos EUA de Donald Trump, o Ocidente não abandonou a noção de valores partilhados. Depois de Trump ter tentado impedir que cidadãos de sete países de maioria muçulmana entrassem nos EUA, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que “não havia justificação política” para isso. E disse-o ao lado do primeiro-ministro sueco Stefan Löfven, que considerou “profundamente lamentável” a decisão dos EUA. Löfven observou que a Suécia e a Alemanha “partilham valores fundamentais” e enfatizou o “importante papel da União Europeia nos valores e direitos humanos”. Mas é loucura as potências europeias acreditarem que podem confiar em valores partilhados para alcançar a cooperação internacional, assim como era loucura o Ocidente acreditar que a adesão à Organização Mundial do Comércio iria de alguma forma transformar a China numa democracia liberal. É improvável que os países europeus persuadam a China, a Rússia ou a administração Trump a adoptar a sua visão de mundo.

Isso não significa que a cooperação internacional se tenha tornado impossível, muito menos que os países não tenham escolha a não ser preparar-se para uma era vindoura de alianças disfuncionais, conflitos ou mesmo a guerra. A cooperação deve estar ancorada, não em valores partilhados, mas em interesses estratégicos partilhados de longo prazo. O imperativo dos países agora é determinar quais são esses interesses e como se sobrepõem (ou não) com os dos outros. E que sistemas de acomodação mútua poderiam ajudar a promovê-los.

O comércio é uma área óbvia de preocupação. A imposição de tarifas por Trump sobre as importações de aço e alumínio é, sem dúvida, popular em parte dos seus apoiantes, mas enfureceu os aliados mais próximos, que já começaram a retaliar.

Economistas prevêem que as tarifas do governo Trump poderão causar mais de 400 mil perdas de emprego nos EUA - o que significa 16 perdas para cada emprego poupado em aço e alumínio. Essa abordagem claramente não está nos interesses estratégicos de longo prazo de ninguém, mesmo que ofereça benefícios políticos de curto prazo.

A consideração dos países sobre interesses estratégicos também deve concentrar-se na tecnologia. Google e Alibaba agora competem para ter os melhores engenheiros de computação do mundo, muitos dos quais europeus, para ganhar a corrida para controlar os dados, desenvolver computação quântica (na qual a próxima geração de criptografia dependerá) e para criar aplicativos mais lucrativos de inteligência artificial.

Os europeus tornaram-se dependentes dessas empresas, todas baseadas na China ou na América. No entanto, a Europa concentrou-se mais em impor valores partilhados na tecnologia - ou seja, fortalecendo os regulamentos de privacidade de dados - do que em desenvolver uma estratégia de longo prazo para se tornar competitiva. A definição de tal estratégia poderia ajudar a Europa a identificar áreas de acomodação mútua. Uma terceira área com potencial de cooperação estratégica é a ajuda ao desenvolvimento e o investimento nos estados mais pobres e mais frágeis do mundo. Essa cooperação é essencial para combater o terrorismo, o tráfico de seres humanos e a migração. Mas também aqui os países agem contra os seus próprios interesses, com os EUA e a Europa a cortar orçamentos de ajuda e a tentar travar a imigração.

Enquanto isso, a China faz grandes investimentos em países mais pobres. Enquanto os EUA e a Europa abordam o desenvolvimento do ponto de vista da redução da pobreza e da boa governação, a China atribui maior prioridade ao apoio ao desenvolvimento de infra-estruturas como parte de uma política industrial. Chegou mesmo a adquirir infra-estruturas em países da Zona Euro em dificuldades, como Portugal e Grécia.

Mas nenhuma dessas abordagens terá sucesso sem uma acomodação mútua. Num movimento promissor, em direcção à acomodação estratégica, a China estabeleceu uma Agência de Cooperação Internacional. O novo órgão permitirá que a ajuda “desempenhe um importante papel na diplomacia das grandes potências”. Os EUA e a Europa precisam agora de fazer mais para desenvolver os seus objectivos estratégicos de longo prazo e trazer novas formas de cooperação internacional.

Sistemas de acomodação mútua que facilitem a realização de interesses partilhados são possíveis. Se as organizações internacionais já não são suficientemente confiáveis para desempenhar essa função, os EUA e a Europa podem precisar de novos arranjos domésticos. Por exemplo, o ex-secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, propôs um escritório permanente dentro da Casa Branca para gerir as relações com a China. À medida que a governação global, baseada em valores, continua a deteriorar-se, a necessidade de tais mecanismos de interacção contínua não poderia ser mais urgente.

Fundadora da Escola de Governação de Blavatnik, da Universidade de Oxford.

Last modified on segunda, 02 julho 2018
 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao