wrapper

logo min

pten

Para quem pediu asilo no campo de refugiados de Moria, em Lesbos, na Grécia, a palavra “quase” tornou-se uma fonte de desânimo. Eles quase conseguiram. Eles estão quase no final da sua jornada brutal. Aarash, um jovem de 27 anos e pai de uma menina, graduado em MBA em Cabul, Afeganistão, disse: “Quando tudo está dito e feito, somos quase, quase humanos”. E a Europa quase os recebe de braços abertos. ‘Quase’ provoca um desespero insuportável para os requerentes de asilo que estão presos em Lesbos e Samos e que já suportaram o trauma da luta pela sobrevivência. De acordo com um relatório divulgado em Outubro, pela organização Médicos Sem Fronteiras, quase 50% dos refugiados em Samos sofreram actos de violência ao passar pela Turquia e perto de 25% desde que chegaram à Grécia. Funcionários que realizam avaliações de vulnerabilidade, em Moria, perguntam se alguém foi violado, com que brutalidade e com que frequência.

Neste contexto, não é surpreendente que os residentes sofram psicologicamente. A lista de espera para tratamento psicológico tem mais de 500 nomes, o que significa que poucos acabarão por receber qualquer tipo de apoio. Enquanto isso, uma pequena clínica, administrada pelo Centro de Respostas a Emergências da Grécia, sem fins lucrativos, em Moria, enfrenta diariamente casos de autoflagelação e o suicídio não é incomum.

O especialista em trauma Paul Stevenson descreveu uma síndrome de desmoralização que observou durante o trabalho em centros de detenção de imigrantes em Nauru, na costa australiana. Após um desastre natural, diz ele, a incidência de transtorno de ‘stress’ pós-traumático é de cerca de 3%. Depois de um ataque terrorista, esse número sobe para cerca de 25%. No caso de tortura e encarceramento, salta para 50%, porque “é considerada a situação mais desmoralizante” que se pode experimentar.

Tortura psicológica e encarceramento são efectivamente o que os requerentes de asilo no campo de Moria enfrentam. Embora possam circular como quiserem, não há espaços alternativos ou pontos de distribuição de alimentos. As condições no campo são caracterizadas por instalações apertadas e inadequadas - cerca de 6.600 requerentes residem num campo construído para 3.000 - sem mencionar as constantes ameaças de abuso.

Esta situação contrasta fortemente com a narrativa da União Europeia (UE). Um ano após a crise dos refugiados europeus - ou, mais precisamente, a crise de gestão de refugiados - ter atingido o pico, no verão de 2015, a UE declarou que a situação estava sob controlo. Mas, embora seja verdade que menos refugiados chegam à Europa, quem esteve em Lesbos recentemente sabe que a crise está longe de terminar.

Analistas compararam as políticas de asilo e segurança da UE no Mediterrâneo desde 2015 à construção de uma ‘Fortaleza Europa’. Se a UE é uma fortaleza, o campo de Moria é a câmara de tortura, com condições de pesadelo bem documentadas. Isso não é mais uma ‘crise de refugiados’ ou até mesmo uma ‘crise de gestão de refugiados’. Agora é uma crise humana. De acordo com os recursos da UE, este resultado pode ser visto apenas como intencional.

De facto, condições terríveis podem prevalecer nos campos de refugiados, porque as autoridades querem impedir que outros requerentes de asilo - incluindo alguns que não têm direito à protecção internacional - tentem entrar e, potencialmente, até impulsionar o regresso a casa. Melhores condições do acampamento e permitir que os refugiados cheguem ao continente grego, prossegue a lógica, contribuiriam para outra onda de travessias. O mais alto tribunal administrativo da Grécia pôs em causa a legalidade desta política de confinamento, resultado do controverso acordo UE-Turquia. O governo grego, no entanto, desafiou a decisão do tribunal.

É uma estratégia descarada e cínica de despreocupação imprudente pela dignidade humana, justificada por um discurso intolerante e por narrativas preconceituosas. Os cidadãos e líderes da Europa estão realmente preparados para abandonar valores básicos como solidariedade e empatia por um futuro de muros protegidos por mercenários líbios, um acordo indiscutivelmente ilegal com a Turquia e condições inconcebíveis para pessoas que buscam refúgio da pobreza e conflitos que a Europa ajudou a criar?

Contra toda a lógica, e apesar de “quase”, depois de “quase”, os moradores do campo de Moria continuam esperançosos de que a Europa logo se lembrará e cumprirá os compromissos de defender os direitos humanos. Enquanto isso, demonstram que, muitas vezes, é em condições desumanas que a humanidade brilha mais intensamente.

Os recém-chegados recebem apoio das suas comunidades, incluindo lições sobre sobrevivência no ambiente desmoralizante do acampamento. As diferentes comunidades étnicas agem juntas para garantir que os compatriotas que desenvolvem psicose, por exemplo, estejam entre aqueles que realmente recebem tratamento.

Isto não precisa de ser assim. Muitas políticas promissoras com o potencial de criar um processo de asilo seguro e humano foram propostas. Estas incluem vistos humanitários, correspondência de preferências entre países de acolhimento e requerentes de asilo, reinstalação e apoio muito mais forte dos países da linha da frente.

Defender essas soluções pode não ser confortável ou politicamente popular. Desenvolver e implementar novas políticas de asilo que respeitem os direitos e a humanidade dos requerentes exige uma liderança ousada. Mas o ‘status quo’ actual é claramente inaceitável.

 

 

Costas Georgiades Consultor de política na Universidade de Maastricht, membro do conselho da Rede de Jovens Embaixadores da Paz.

Luca Bücken Assessor de Assuntos Públicos da Universidade de Maastricht, Director de Parcerias da Literatura de Luz e Embaixador Único Mundial.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao