wrapper

logo min

pten

MERCADO BOLSISTA. Tal como Isaac Newton, apelidado de ‘o pai da ciência moderna’ e de Adam Smith, baptizado como o ‘pai da ciência moderna’, Benjamin Graham foi apelidado como o ‘pai da ciência da avaliação de acções’.

thumbnail 121019MOAF194 web

Muitos analistas questionam-se, ainda hoje, como é que o filho de um negociante londrino de porcelanas chegou a ser o primeiro guru de bolsas, sendo, inclusive, para alguns, o maior de sempre?

A resposta, no entanto, foi muitas vezes encontrada nos resultados conseguidos por Benjamin Graham. Para além de ter sido considerado “um destacado académico”, a sua sociedade, a Graham-Newman, ganhou quase 15% por ano em duas décadas.

De acordo com Jason Zweig, colunista do The Wall Street Journal, “antes de Graham, os gestores de activos comportavam-se como grémios medievais, guiados largamente pela superstição, adivinhação e rituais arcanos”.

O primeiro contacto com a bolsa foi provavelmente por volta dos 13 anos: após a morte do pai, a família enfrentou dificuldades e a mãe, ao recorrer a empréstimos para investir na bolsa, perdeu tudo no Pânico de 1907, que arrasou o mercado norte-americano.

Benjamin Graham conseguiu, no entanto, uma bolsa para estudar na Universidade de Columbia, em Nova Iorque. Apesar de ter recebido convites de três departamentos – Inglês, Matemática e Filosofia – para se dedicar ao mundo académico após finalizar o seu curso, o jovem Graham, de 20 anos, optou por ingressar no mundo de Wall Street.

Começou como empregado de uma correctora de obrigações, passou a analista, depois sócio e, mais tarde, criou a sua própria firma, a Graham-Newman.

Reza a história que, na sequência da Quinta-Feira Negra de 1929, que marcou o início da Grande Depressão norte-americana, Benjamin Graham perdeu cerca de 70%, mas sobreviveu e saiu mais forte. Entre 1936 e 1956, o ano da sua aposentação, a sociedade Graham-Newman ganhou anualmente 14,7%, de acordo com a investigação de Jason Zweig.

Antes disso, em 1928, Graham tinha ingressado à Columbia para leccionar sobre investimento. Terá sido aí que orientou um jovem Warren Buffett, entre muitos outros grandes futuros investidores de bolsa. Buffett tornar-se-ia, mais tarde, seu empregado e amigo.

De acordo ainda com as investigações de Jason Zweig, terá sido em 1928 que Benjamin Graham surpreendeu o magnata John Rockefeller. Depois de investigar a Northern Pipe Line, uma das sociedades criadas através do desmembramento do império de Rockefeller, descobriu que a companhia tinha obrigações que valiam 95 dólares por acção, quando cada acção cotava na bolsa a 65 dólares.

A partir daí, teria demorado dois anos a conseguir que a maioria do capital fosse distribuída aos proprietários, encaixando uma boa mais-valia para a sua sociedade, que já era a segunda maior accionista.

Foi a sua experiência profissional e académica, aliada à sua natural inteligência, que o colocam no pódio dos gurus da bolsa, segundo defende Jason Zweig.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao