wrapper

logo min

pten
António Miguel

António Miguel

Importação de carros ‘mais velhos’ levanta preocupações

AUTOMÓVEIS. Entrada em vigor da medida que autoriza a importação de viaturas ligeiras com até 10 anos de uso aguarda por consenso. Evitar o envelhecimento do parque automóvel é uma das questões em discussão.

Carros na stand 8

O mercado informal de venda de viaturas pode ser um dos principais beneficiários com a possibilidade de Angola vir a alargar a importação de carros usados. O Governo pretende aumentar para cinco e 10 anos de uso o limite de viaturas a serem importadas, contra os actuais três e cinco anos para as ligeiras e pesadas, respectivamente.

A possibilidade é admitida por grande parte dos intervenientes do sector. Os do circuito informal defendem que apenas vão beneficiar da decisão se conseguirem ter acesso às divisas.

Por sua vez, os operadores do circuito formal apelam para a necessidade de, simultaneamente, se criarem medidas para reforçar a formalização do negócio, depois de vários anos dominado pelo mercado informal. “Tudo o que é liberalização do mercado é bom, mas, em paralelo, devem ser tomadas outras medidas que possam proteger as concessionárias (que incorporam mão-de-obra nacional e pagam impostos ao Estado) e contribuir para a diversificação da economia”, defende Carlos Cerqueira, administrador da ‘Robert Hudson’.

Caso contrário, argumenta Cerqueira, a medida, além de provocar o ressurgimento do já “estancado mercado informal, poderá representar mais pressão sobre as poucas divisas disponíveis”. “A importação pura e dura não acrescenta valor à economia porque tudo o que é negócio de rua representa fuga ao fisco e vai apenas contribuir para gastar as poucas divisas.” Por sua vez, o director comercial do Grupo Autostar, Luís Dinis, alerta para a possibilidade de “envelhecimento do parque automóvel”, mas admite que a medida “poderá facilitar os compradores com menos capacidade financeira”. Apesar de entender que a alteração do quadro irá “beneficiar o mercado informal”, Luís Dinis acredita que não provocará “prejuízo directo às concessionárias que representam marcas oficiais”.

Quem também acredita que as empresas estarão em condições de dominar o mercado é o director-geral das Organizações Chana, Paulo Vaal Neto, sobretudo pela obrigatoriedade de os importadores investirem na prestação de serviço e assistência técnica pós-venda. “As empresas ficam salvaguardadas, pois os particulares não reúnem condições para o efeito.”

SUGESTÃO DA AIA

O regresso à importação de carros com mais anos de uso é uma sugestão da Associação dos Industriais de Angola (AIA). O objectivo, segundo o presidente da AIA, José Severino, é facilitar as micro, pequenas e médias empresas que “têm encontrado dificuldades em comprar carros de serviço”.

O Governo manifestou-se receptivo e, para já, estuda essa possibilidade. Foi o próprio ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, que, recentemente, anunciou o estudo para a implementação da medida, como estando “consolidado”, restando apenas encontrar consenso entre as várias sensibilidades, as concessionárias de automóveis e outros agentes comerciais. “É necessário tomar medidas equilibradas que satisfaçam os interesses de todos os cidadãos. É neste sentido que o Executivo está a trabalhar para a apreciação e aprovação desta lei que brevemente será apresentada ao público”, acrescentou.

O receio desta revisão vir a beneficiar o mercado informal e também envelhecer o parque automóvel tem raízes históricas. Foi na sequência da limitação imposta em 2010 que se foi registando o crescimento do mercado formal com o surgimento de novas marcas e empresas. As vendas das concessionárias cresceram cerca de 152% entre 2010 e 2014, passando de 17.695 unidades para as 44.536. No entanto, desde 2014 passou-se a registar quebras consideráveis, com a redução da oferta e o aumento dos preços. Foi este cenário que concorreu para a sugestão da AIA.

Read more...

Rússia quer fornecer armas à República Centro Africana

ARMAMENTO. Moscovo solicitou autorização ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para fornecer armas e munições ‘leves’ à República Centro Africana, país que, desde 2013, anda sob embargo de armas.

25465955 1812890908722008 219822185 n

Os Estados Unidos da América, Reino Unido e França mostram-se preocupados por a Rússia ter solicitado ao Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) autorização para fornecer armas e munições consideradas ‘leves’ à República Centro Africana (RCA).

Os três tradicionais aliados solicitam ao governo russo que se explique “melhor” sobre o tipo de armas que pretende vender ao país africano. “O nosso único pedido foi que a delegação russa envie informações adicionais sobre os números de série das armas para que possamos rastreá-las”, afirmou um funcionário do governo norte-americano, citado pela Africa News. “Pensamos que é um pedido razoável e ressalta a importância de coordenar a protecção física, controlo, armazenamento seguro e gerenciamento de armas e munições comercializadas”, argumentou.

Moscovo pretende fornecer armas a dois batalhões (no total de 1.300 soldados), que foram, recentemente, treinados pela União Europeia, respondendo, deste modo, ao pedido do presidente da RCA, Faustin-Archange Touadera, feito ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. Faustin-Archange Touadera que solicitou a assistência militar em Outubro, na cidade russa de Sochi.

No entanto, o país africano encontra-se sob embargo de armas, aplicado em 2013, pelo CSNU, após o conflito entre as forças armadas governamentais e grupos rebeldes armados. O presidente Touadera solicitou já às Nações Unidas uma flexibilização do embargo para permitir que o seu governo reforce os equipamentos militar das forças armadas.

Peritos militares russos, que estiveram na RCA em Novembro depois da solicitação de Touadera, propuseram o fornecimento de armas. Na lista, constam 900 pistolas, 5.200 ‘rifles’ de assalto, 140 ‘rifles’ de atiradores, 840 metralhadoras kalashnikov, 270 RPGs e 20 armas antiaéreas, lê-se no documento russo apresentado ao Conselho de Segurança.

A Rússia quer ainda abastecer as forças armadas da RCA com milhões de munições, incluindo cartuchos de blindagem, granadas de mão e argamassa. “O armazenamento e o gerenciamento de ‘stock’ de armas da primeira entrega serão organizados nas instalações de armazenamento já existentes sob protecção armada”, explicam os russos no documento já citado.

A Rússia quer também construir armazenamentos adicionais para armas enviadas, fora da capital Bangui, onde a maioria dos confrontos ocorrem. Entretanto, a França, que receia que as armas caiam nas mãos de grupos rebeldes, tinha, recentemente bloqueado ‘o progresso’ das intenções russas.

A República Centro-Africana tem, há cinco anos, lutado para retornar à estabilidade desde que o país caiu em derramamento de sangue após o derrube, em 2013, do antigo presidente François Bozize, perpetrada pela aliança rebelde, principalmente o grupo muçulmano Seleka.

A França interveio militarmente para expulsar a aliança de Seleka, mas o país continua apoquentado pelas milícias insurgentes, que disputam o controlo de áreas potencialmente ricas em recursos naturais. Com agências*

Read more...

Ford quer abrir linha de montagem em Angola

AUTOMÓVEIS. Negociações com Governo para a construção da fábrica da Ford em Angola deverão estar concluídas ainda este ano. Primeiros carros podem ser montados já em 2018.

25181792 874917732633378 652972849 n

Angola poderá ter uma linha de montagem da marca norte-americana de carros Ford, a partir do próximo ano, revelou o administrador-delegado Robert Hudson, Carlos Cerqueira, em exclusivo ao VALOR.

As negociações para a construção da fábrica de montagem no país estão já em curso entre a Robert Hudson, representante da Ford em Angola, e o Governo angolano e deverão estar concluídas ainda este ano. “É um processo que esperamos concluir no final de 2017 e, em 2018, estarmos em condições de ter as primeiras viaturas montadas cá”, revela o responsável.

Sem avançar o valor do investimento, Carlos Cerqueira fez saber que a decisão da abertura de uma linha de montagem em solo nacional resulta do facto de Angola ser um “mercado estratégico” da Robert Hudson em África. “Somos uma empresa angolana e toda a criação de valores é para investir cá”, sublinha o gestor.

No entanto, as vendas da Robert Hudson, no seu ‘mercado estratégico’, têm estado em ‘queda-livre’, desde 2014, na sequência da crise de divisas que assola a economia angolana. A empresa prevê fechar 2017 com apenas 270 viaturas vendidas, uma queda de 65,5% face às 780 comercializados no ano passado. Nos últimos quatro anos, o melhor registo de vendas foi em 2014, ano em que a empresa vendeu 2.440 viaturas, com a derrapagem a começar, no ano seguinte, depois de uma queda de cerca de 44% para 1.350.

A crise de vendas não afecta apenas a concessionária do grupo Salvador Caetano, mas todas as suas concorrentes. Carlos Cerqueira alerta que, na Europa, a comercialização de automóveis também tem registado baixas. Para exemplificar aponta Espanha, que, entre 2011 e 2014, viu cair as vendas dos 1,6 milhões de automóveis para 600 mil unidades.

No caso da Robert Hudson, as dificuldades de acesso às divisas levaram à acumulação de uma dívida com os fornecedores de cerca de 30 milhões de dólares. Do valor da dívida, cerca de 27 milhões de dólares é com a Ford, sendo o restante com as marcas alemãs Volkswagen e Audi. “Toda a dívida está aprovisionada em banca, com fundos em kwanzas. Portanto, temos dinheiro disponível, o que falta são as divisas”, explica o delegado da Salvador Caetano.

Esta situação da dívida, de resto, é extensiva a todas as concessionárias filiadas da Associação dos Concessionários de Equipamentos de Transportes Rodoviários (Acetro). No passado mês de Agosto, o presidente da referida associação estimou a dívida acumulada em cerca de 180 milhões de dólares, tendo, no mês passado, reduzido para 165 milhões depois de conseguirem algumas transferências.

Por força das dívidas, os fornecedores da Robert Hudson recusam-se a enviar encomendas, segundo Carlos Cerqueira. A empresa é abastecida por diferentes fábricas das marcas que representa em Angola. A Ford Ranger, por exemplo, é importada das linhas de montagens da África do Sul. Já os modelos Figo e Eco Sport vêm da Índia, enquanto as carrinhas Ford Transit são fornecidas da fábrica instalada na Turquia.

No geral, cerca de 180 carros já produzidos estão nas respectivas fábricas à espera do pagamento do Robert Hudson para chegarem a Angola. Deste número, pelo menos, 70 são Ford Ranger, o ‘best seller’ da Ford em Angola. Enquanto, os carros não vêm, o ‘stock’ da empresa está quase zerado, como reconheceu o seu gestor. Ou seja, neste momento, há apenas oito carros para serem vendidos. A Ranger, Eco Sport e Escape representam cerca de 80% das vendas da Robert Hudson em Angola, que tinha uma oferta de 23 modelos da Ford, tendo reduzido para 16.

Para mitigar o problema da importação e da quebra de vendas, a empresa gerida por Carlos Cerqueira está a apostar nos serviços pós-venda e na venda de peças, já que as divisas para a importação de peças estão na lista das prioridades do Banco Nacional de Angola. Aliás, é o segmento de pós-venda e venda de peça que tem ‘suportado’ os 240 postos de trabalho existentes no grupo, depois de 40 funcionários terem sido já despedidos em 2014, por força da crise financeira.

Read more...

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao