wrapper

logo min

pten

DÍVIDAS. Salários em atraso levaram à penhora da unidade em 2015. Hotel vai ser arrematado a 23 de Novembro e já desperta a atenção de investidores.

45299891 1923104977777058 9173707053678460928 n

O histórico Grande Hotel da Huíla, penhorado e encerrado desde 2015, vai ser leiloado em praça pública por decisão do Tribunal Provincial da Huíla, devido a um processo movido pelos trabalhadores da unidade, por falta de pagamentos dos salários.

O acto público está marcado para 23 de Novembro, na Sala do Tribunal, e a oferta começa nos 52,5 milhões de kwanzas, o que despertou o interesse da classe empresarial.

Osvaldo José Lunda, director do gabinete provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos da Huíla, garantiu, ao VALOR, que a sua direcção tem sido contactada por grupos interessados que, entretanto, são encaminhados ao tribunal, enquanto entidade responsável pelo leilão.

Desde 2011 que os trabalhadores do Grande Hotel da Huíla se debatem com a falta de pagamentos. Nesse ano, já reclamavam à imprensa vários meses de salários em atraso. Um ano depois, voltavam à baila com uma greve de vários dias em que exigiam 14 meses de salários não pagos. Na altura, segundo o líder sindical, Ronaldo Inácio, ao site ‘Voz da América’, a falta de pagamentos tinha que ver com a “má gestão da direcção” do hotel. “A partir dos dados da contabilidade e finanças, aos quais muitos de nós tiveram acesso, não se fazia sentir os 14 meses de salários em atraso”, justificava na altura.

O VALOR tentou contactar a direcção do hotel, mas sem sucesso, uma vez que esta se recusa constantemente a prestar declarações.

Mas o processo não é alheio à ministra do Turismo, Ângela Bragança, que depachou uma equipa à Huíla. Os trabalhos da equipa terminaram na semana passada, mas esta, à semehança da direcção do hotel, recusou-se a prestar qualquer declaração. O director de comunicação prometeu, no entanto, fazer um comunicado público ainda esta semana.

O Grande Hotel da Huíla é a mais antiga unidade hoteleira do Lubango e uma das mais antigas do país. O edifício emblemático, símbolo da arquitectura colonial da época, começou a ser construído em 1938, prestes a começar a II Guerra Mundial. Por causa da crise que se seguiu, a construção só foi finalizada 10 anos depois. No entanto, a inauguração aconteceu já em meados dos anos 1950.

O empreendimento é composto por 78 quartos, sendo 13 suites. Alberga uma piscina e um restaurante com capacidade para cerca de 200 pessoas. Localizado no centro da cidade, oferece acesso aos principais pontos da capital da Huíla, como centros comerciais e restaurantes.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao