wrapper

logo min

pten

Telecomunicações. Operadora aguarda alienação dos 45% das acções, enquanto decorre avaliação patrimonial da empresa. Entrada do futuro accionista deverá relançar a telefonia móvel.

 

28534206 1894837857193979 444105921 n

A evolução da Angola Telecom para a terceira operadora de telefonia móvel “não constitui prioridade imediata”, garantiu o coordenador da comissão de gestão, Eduardo Sebastião, adiantando que o foco está na conclusão do processo de reestruturação que visa tornar a empresa sustentável, com os activos disponíveis.

 

“Neste momento, a prioridade é terminar a reestruturação e tornar a empresa, com os activos que tem, sustentável. Essa é a prioridade número um, depois é que vem a operação da telefonia móvel”, sublinhou.

 

Embora o investimento para o arranque da operadora móvel venha a ser determinado com o futuro parceiro, Eduardo Sebastião estima entre 200 e 400 milhões de dólares a despesa necessária para a operação.

 

Relativamente à privatização de 45% da companhia estatal, Eduardo Sebastião não precisou ainda quanto o Estado deverá embolsar, justificando-se com a avaliação patrimonial da empresa que está a ser feita por uma empresa especializada, estando os potenciais investidores a aguardar por informação. É, aliás, com o valor da alienação de parte da operadora que a sua actual gestão espera aplicar no relançamento da telefonia móvel.

 

Eduardo Sebastião colocou a dívida para com a empresa acima dos 10 mil milhões de kwanzas, recordando que, entre os devedores, se destacam instituições e empresas públicas e privadas, além de clientes singulares. Paralelamente ao esforço de cobrança da dívida, o gestor coloca, entre as prioridades, a redução dos custos operacionais, estimados em 130% acima das receitas, com a meta de redução a ser projectada num rácio de 70% até ao fim do ano.

 

A Angola Telecom possui várias participações em outras empresas, como a TV Cabo (50%), Multitel (30%), Angola Cable (51%) e Movicel (18%). Negócios que, no âmbito da reestruturação, vão ser “mantidos e potenciados”, de modo que possam gerar mais-valia para a empresa, segundo esclareceram Eduardo Sebastião, que descartou qualquer possibilidade de terminar com essas participações. 

 

Nos últimos oito anos, a Angola Telecom registou uma queda na carteira de clientes na ordem dos 75%, passando de 200 para 50 mil, segundo dados recentemente revelados, ao VALOR, por Bartolomeu Pereira, director comercial da operadora pública.

 

A perda de mercado, segundo o gestor, é justificada pelo “fenómeno global ao nível de mercados de telecomunicações”, com destaque para a retracção e a falta de utilização da telefonia fixa, o que leva a empresa a preparar-se também para a oferta de serviços integrados, “no sentido de resgatar os clientes”.

 

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao