wrapper

logo min

pten

INDÚSTRIA TÊXTIL. Fábrica de produtos têxteis Alassola, localizada em Benguela, fez a primeira exportação de tecido este mês. Cerca de 150 toneladas de fios diversos partiram do Porto Comercial do Lobito para Portugal, semanas depois de um decreto do Governo exigir a sua devolução.

FABRICA DE TEXTANG II 6

O despacho da ministra da Indústria que obriga a devolução da unidade têxtil Alassola ao Estado não impediu esta de concretizar, este mês, o início das exportações de produtos têxteis. Pelo contrário, o presidente do conselho de administração da empresa, Tambwe Mukaz, garante que, doravante, as exportações passam a ser regulares, inicialmente apenas para o mercado português, onde diz possuir parceiros comerciais com contratos selados.

Com esta primeira exportação, a empresa calcula arrecadar meio milhão de dólares, com os quais prevê minimizar a falta de divisas para a aquisição de matéria-prima. Dentro de quatro semanas, seguem mais 15 contentores para Portugal, correspondentes a 150 toneladas de fio de tecelagem (um produto intermédio do tecido). Tambwe Mukaz revelou ao VALOR que a importação de algodão representa 55% dos custos globais da produção da empresa.

Em pleno funcionamento, vai precisar de 11 mil toneladas de algodão anuais, numa altura em que depende apenas da importação deste produto para o seu funcionamento, devido à falta de produção local em grande escala.

A fábrica possui 170 trabalhadores, cinco dos quais expatriados, prevendo empregar até 1.200 pessoas.

À exportação de fio para o fabrico de tecido, a companhia espera juntar, no próximo ano, tecido e, mais tarde, toalhas, lençóis, entre outros produtos do género.

MARCO HISTÓRICO

Tambwe Mukaz considera o primeiro carregamento “um marco histórico para a empresa e o país”. O gestor realça que o mercado europeu “é bastante exigente” e prima pela qualidade, pelo que a produção nacional deverá situar-se dentro de parâmetros elevados para que tenha aceitação “em qualquer mercado internacional”.

A reabilitação, ampliação e modernização da África Téxtil (Alassola), Satec e Textang foi um desafio do Governo inserido no Plano de Desenvolvimento 2013/2017, que visava, sobretudo, reduzir as importações e fomentar as exportações. O investimento estatal para a reactivação das três unidades totalizou perto de 1,2 mil milhões de dólares, provenientes de uma linha de crédito do governo japonês.

Mas a entrega, em 2013, das instalações destas três unidades têxteis estatais à gestão privada está enfermada de “vícios procedimentais”, segundo um despacho da ministra da Indústria, Bernarda Martins, de 15 de Setembro.

As empresas tinham até 30 de Setembro último para reverterem o controlo das respectivas unidades ao Ministério da Indústria, que as advertiu a não obstaculizar a entrada nas instalações de representantes seus. Estavam ainda obrigadas a entregar as instalações, os activos móveis e imóveis “em boas condições de conservação”, “considerando o investimento feito pelo Estado na recuperação” das mesmas.

Tambwe Mukaz minimiza o assunto. Considera tratar-se de uma questão interna que ainda pode ser corrigida, mas sublinha que não lhe compete falar a respeito da mesma. “A fábrica está a funcionar seguindo as fases programadas e já começámos a exportar”, respondeu ao VALOR.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao