wrapper

logo min

pten

AVIAÇÃO. Companhia promete trabalhar para sanar a “elevada” dívida para com fornecedores e transformar-se em empresa rentável.

thumbnail 02c09b2ad5a ba0f 4123 a886 4242e7d02322

As Linhas Aéreas de Angola (TAAG) prometem continuar a implementar os mesmos planos de actividades para o alcance dos mesmos objectivos da antiga gestão da Emirates, disse a repórteres Rui Carreira, coordenador adjunto da comissão de gestão.

Liderada pelo antigo PCA da transportadora Joaquim Teixeira da Cunha, a comissão foi nomeada na sequência do rompimento do acordo pela Emirates, que alegou dificuldades de repatriamento das receitas em Angola, numa ´mistura´ entre as suas actividades comerciais e o contrato que a ligava à administração da TAAG.

“O plano de negócios continua o mesmo, os executores também”, disse Rui Carreira, também ele antigo administrador da TAAG, antes da vigência do acordo com a operadora dos Emirados Árabes Unidos.

“Tudo o que era dantes vai continuar, nada será interrompido. O processo de reestruturação continua”, observou o piloto de carreira.

Deste modo, segundo o responsável, a empresa promete continuar a implementar reformas para manter “os mesmos níveis de melhorias que a TAAG vinha estando a mostrar ao longo dos últimos anos”.

O coordenador adjunto falava a jornalistas após a apresentação da nova equipa de liderança aos directores de “primeira e segunda” linhas da transportadora nacional pelo ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás.

A lista inclui vários nomes estrangeiros. “Todos os administradores expatriados que faziam parte da equipa anterior continuam a fazer parte da nova equipa, tirando o senhor Peter Hill”, referiu Rui Carreira.

Entretanto, a empresa considera de “ falsas” as informações de que a mesma deve 300 milhões de dólares à Emirates.

O que existe, diz Carreira, são as “dificuldades cambiais” no repatriamento de capitais, referente às receitas e lucros, que a Emirates enfrenta, tal como acontece com outras operadoras, incluindo a própria TAAG.

O porta-voz notou ainda que a empresa contraiu uma dívida de “valor elevado” com os seus fornecedores estrangeiros. Logo, o problema de que se queixa a Emirates, também a transportadora nacional é “vítima”, e deve-se à escassez de divisas que assola o país desde a queda do preço do petróleo no mercado internacional.

A TAAG esteve sob gestão da Emirates durante pouco mais de um ano, com o propósito de tornar a empresa rentável sob gestão de Peter Hill, o primeiro não-angolano a liderar a empresa.

E iam no bom caminho. Pela primeira vez, a TAAG registou poupanças de 99 milhões USD, considerado “obra” para uma companhia que nunca gerou lucros desde a sua criação, pouco depois da independência, no longínquo 1975.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao