wrapper

logo min

pten

BOLSA. Administrador do BAI-Gest questiona metas do Igape, Bodiva e CMC que estabelece 2019 como data da primeira privatização e de abertura do mercado de acções. Gestor avisa que há poucas empresas para abrir capital em bolsa. Alerta vem de todo o lado, até da companhia que chefiou processo de privatização da TAP.

thumbnail Victor Cardosoadmistrador do BAI GEST201811203735

Não estão criadas as condições para que, em 2019, aconteça a primeira privatização via bolsa de valores, ao contrário do que prevêem diferentes instituições públicas relacionadas com o mercado de capitais, como o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (Igape) e a Comissão de Mercado de Capitais (CMC).

A afirmação é do administrador da sociedade de gestão de fundos e participações do banco BAI (a BAI-Gest), para quem os “níveis de exigência” de abertura de capital em bolsa não são suportados pelas empresas estatais escolhidas para o processo de privatização. Victor Cardoso justifica-se também com o “fraco modelo de governação, a ineficiência produtiva, os sistemas de controlo interno inadequados e a situação económica e financeira débil” dessas empresas.

Ao intervir, na semana passada, num seminário sobre mercado de capitais, em Luanda, Victor Cardoso insistiu que existem poucas empresas do sector público em condições de serem privatizadas via bolsa de valores. “A minha convicção prende-se com o elevado nível de exigência de requisitos que são necessários para os processos de IPO (oferta pública inicial, na silga em inglês). Os problemas são imensos e será um desafio enorme conseguir que este processo passe exclusivamente pela bolsa de valores”, reforçou Victor Cardoso, apontando para a forma de elaboração de relatos financeiros de parte das empresas a privatizar.

O gestor mostrou-se “preocupado” por, até ao momento, “não se conhecerem grandes conclusões” de uma comissão criada em Fevereiro para o processo de privatizações. E salientou que, no decorrer do fórum que debateu o assunto, “esperava que o presidente do Igape abrisse um bocadinho mais o véu”.

“Fala-se num universo de 74 empresas, maioritariamente do sector industrial, há também as empresas do universo Sonangol, mas não sabemos bem que modelo é que o Estado irá privilegiar para processar estas privatizações”, questionou.

Até 2021, o Governo espera ver concluídas todas as fases do processo de privatização, estando 74 empresas ja estimadas, com destaque para as do sector industrial.

Bolsa exige

Por seu turno, o presidente da portuguesa Rede Mundial de Instituições de Garantia de Crédito para Pequenas e Médias Empresas, José Fernando Figueiredo, defende que “não se pode criar a ilusão” de que se vai “ter, de repente, 70 ou 80 empresas na bolsa”. E justifica-se também com as “exigências” que a bolsa impõe. “É importante dinamizar o mercado de capitais, e essa dinamização deve ser focada em algumas poucas, mas boas empresas, que tenham credibilidade no mercado”, aconselha, chamando a atenção para as soluções de financiamento das pequenas e médias empresas e das microempresas.

Já Miguel Cruz, presidente da ParPública, sociedade gestora de participações sociais de capitais exclusivamente públicos, e que actuou na intenção de privatização da Transportadora Aérea Portuguesa, disse não haver condições para se “concretizar nenhum plano de privatizações já em 2019”. Aconselha, antes, a trabalhar-se num conjunto de “elementos essenciais para a atractividade de activos”. Para o responsável dessa instituição também portuguesa, “isso é um processo que vai ter de ser construído com muito trabalho, quer do ponto de vista do enquadramento legal, quer do enquadramento económico-financeiro”.

É do Igape que vem a projecção de que a primeira privatização em bolsa ocorra em 2019, ‘dead-line’ corroborado pela CMC e pela Bolsa da Dívida e Valores de Angola (Bodiva), que diz estar a depender da aprovação da lei de base das privatizações. “É o nosso desafio que, em 2019, se coloque a primeira empresa em bolsa numa operação de IPO. Estamos a avaliar um conjunto de empresas. E alguma há-de ser eleita a primeira.

É claro que, do meu ponto de vista, é aquela que estiver em melhores condições para que o arranque seja uma operação com sucesso”, projectou Valter Barros, presidente do Igape, no fórum sobre mercado de capitais.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao