wrapper

logo min

pten

FACTURAÇÃO. Companhias de seguros fecharam 2017 com receitas a crescerem 13,6%, ajudadas por acidentes, doenças e viagens. Esse grupo é responsável por mais da metade dos 116.397 milhões kz dos prémios emitidos durante todo o ano. Taxa de penetração sobre o PIB é de 0,63%, a pior dos últimos três anos.

20170711091458sinistr lda

As 27 companhias de seguros que operam no mercado nacional registaram, em 2017, uma facturação líquida em prémios emitidos de 116.397,3 milhões de kwanzas, 55,4% dos quais com origem no segmento de acidentes de trabalho, doenças e viagens, cuja facturação foi de pouco mais de 64.509,2 milhões.

Os números são da Agência de Regulação e Supervisão dos Seguros (ARSEG) e dão conta ainda que o seguro automóvel foi o segundo maior participante das receitas. O segmento ajudou com 18,95% para o total da facturação.

“A nível da legislação, sobretudo no que diz respeito ao plano de contabilidade de seguros, juntou-se os três ramos (acidente, doença e viagens), o que, na altura em que se fez a legislação, eram ramos residuais. Mas hoje são ramos que se destacam, nomeadamente o ramo de saúde ou de doenças, acidentes de trabalho, que já é obrigatório. São ramos muito expressivos”, explicou Silvano Adriano, director de supervisão de seguros e mediação.

Depois do seguro automóvel, seguiram os ‘outros danos em coisas’, com 6,97%, o seguro petroquímico (6,77%), incêndio e elementos da natureza (4,75%), diversos (2,26%), transportes (1,82%), o ramo vida (1,63%) e responsabilidade civil geral (1,43%).

A influência do segmento acidente, doenças e viagens sobre a facturação das companhias vem de longe. Já em 2016, o ramo foi responsável por 60% do total de prémios emitidos no período. Ou seja, dos 102.433,9 milhões de kwanzas contabilizados, 61.681,1 milhões foi com acidentes, doenças e viagens.

O mesmo deu-se em 2015. Pouco menos da metade dos prémios desse período, cerca de 45,28%, veio do agregado dos acidentes, doenças e viagens. Em termos nominais, essa percentagem correspondeu a 51.260,5 milhões de kwanzas, com o valor global a situar-se nos 113.207,8 milhões (cerca de 833,4 milhões de dólares, ao câmbio do período).

Indemnizações aumentam

Se, por um lado, aumentam as receitas com prémios emitidos, por outro, subiram os custos com indemnizações. As companhias gastaram um total de 67.790,3 milhões de kwanzas em resolução de sinistros, um aumento de 41,4% face ao total aplicado para indemnizações em 2016.

À semelhança dos prémios, o segmento acidente, doença e viagens também esteve à frente na aplicação de recurso em indemnizações. No período, o segmento inscreveu 37.818,9 milhões de kwanzas em resolução de sinistros, com uma taxa de sinistralidade a rondar os 58,63%.

O ‘incêndio e elementos da natureza’ foi o segundo segmento que mais verbas aplicou em indemnizações. Com uma taxa de sinistralidade nos 215,35%, o segmento gastou 11.917,9 milhões de kwanzas, seguido imediatamente pelo ramo automóvel, que despendeu 9.120,7 milhões.

Activo cresce 12,5%

O desempenho positivo do sector em 2017 também foi verificado nos activos de todo o mercado. Durante o período, as operadoras reforçaram o património em 12,5%, ao sair de 220.406,4 milhões de kwanzas, em 2016, para os 247.991,7 milhões.

A Empresa Nacional de Seguros de Angola (Ensa) e a Saham Angola Seguros continuam a liderar o ‘ranking’ nacional em termos de quota de mercado, com 38,00% e 15,49%, respectivamente (ver tabela).

Apesar de liderar o mercado, a Ensa, liderada por Manuel Gonçalves, tem assistido à redução da sua quota de mercado. De acordo com a Arseg, a companhia perdeu 8,56 pontos percentuais (pp) de 2016 a 2017, ao contrário do concorrente imediato, a Saham, que viu reforçada posição de mercado ao aumentar 0,75 pp, no mesmo período.

Se os prémios emitidos e os activos crescem, o mesmo não sucedeu com o índice de penetração do sector segurador sobre o produto interno bruto (PIB). De Janeiro a Dezembro, esse indicador ficou situado em apenas 0,63%, uma redução de 0,14 pontos percentuais (pp), a pior taxa de penetração registada nos últimos três anos.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao