wrapper

logo min

pten

POUPANÇA. Banco está a exigir depósito a prazo de 250 mil a quem solicitar cartão de crédito da marca ‘Gingongo’. Entidade diz que medida não envolve o banco central. E fundamenta com necessidade de potenciar poupanças. Fonte do BNA garante que não há nenhum ‘despacho’ que autoriza esta prática. Penalização depende de queixa formal.

BPC1

Os clientes do Banco de Poupança e Crédito (BPC) estão a ser obrigados a constituir um depósito a prazo de 250 mil kwanzas e terem na conta um saldo médio de 200 mil kwanzas para o acesso a cartões pré-pagos Visa ‘Gingongo’.

A medida está em vigor, há já várias semanas, e resulta de uma estratégia do banco, fundamentada com a necessidade de se “potenciar a poupança por parte dos clientes, criando um círculo virtuoso de consumo consciente e balanceado com as reais capacidades do nosso país”.

“Trata-se de uma estratégia do BPC para atracção de novos clientes e domiciliação mais regular dos seus rendimentos no banco, assim como privilegiar os clientes regulares do BPC, como os funcionários públicos, forças da ordem e da segurança nacional e outros, que têm acesso ao produto em condições diferenciadas”, justifica o banco, para o qual o BNA “não se envolve nas abordagens de mercado dos bancos comerciais”.

O BPC, banco totalmente participado pelo Estado, justifica ainda que instituições bancárias definem “abordagens de forma a salvaguardar a sua estratégia e tácticas comerciais, que visam a estabilidade do seu balanço”. “Actualmente, é nosso objectivo comercial potenciar a prática de constituição de um colateral, um depósito a prazo no valor mínimo de 250 mil kwanzas e um envolvimento médio mínimo de 200 mil kwanzas nos últimos 12 meses, por parte dos nossos clientes, com o intuito de concretizar a nossa visão de sustentabilidade e estabilidade que definimos para o banco”, admite a entidade financeira que fechou os dois últimos balanços com prejuízos.

Questionado se a medida não choca com o instrutivo do banco central que proíbe cativações, a administração do BPC garante que a exigência dos depósitos a prazos não abrange as operações cambiais, transferências e compra de notas. Acrescenta que “são operações em que os clientes com rendimentos regulares domiciliados no banco têm atendimento preferencial, comparativamente a clientes que não têm um relacionamento regular com o banco”.

Fonte do BNA garantiu, entretanto, que a exigência de constituição de depósitos a prazos para ceder cartões não está regulamentada por “nenhum instrutivo” do banco central. Aliás, há mesmo garantia de que o Banco Nacional de Angola (BNA) “só não está a aplicar uma multa, porque ainda não recebemos queixa formal”.

“Não há documento que regulamenta isso”, disse a fonte do banco central. A adesão ao serviço dá direito a dois cartões “sujeitos a pré-carregamento em kwanzas, de montantes que são carregados em valor equivalente em dólares americanos (Cartão Gingongo em USD isento de comissões nos EUA) e em euros (Cartão Gingongo em EUR, isento de comissões na Zona Euro).

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao