Print this page

A estabilidade e a segurança nos países da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos (CIRGL) vão dominar hoje, quinta-feira (19) em Brazzaville (Congo), a VII Cimeira de Chefes de Estado de Governo da organização, que será marcada pela passagem da Presidência rotativa de Angola para o país anfitrião.

20171015084710sassou nguessohoje

O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, vai discursar na cerimónia de abertura para reafirmar o compromisso de Angola com a estabilidade e desenvolvimento regionais e proceder o balanço dos dois mandatos consecutivos na liderança da organização, iniciados em 2014, pelo antigo Presidente José Eduardo dos Santos.

A agenda reserva a seguir o momento em o Presidente João Lourenço procederá a entrega formal da liderança ao homólogo congolês, Denis Sassou Nguesso.

À porta fechada, os estadistas vão analisar a situação de segurança na região, com enfoque para as preocupantes realidades que se vivem nas Repúblicas Democrática do Congo (RDC), Centro Africana (RCA), Burundi, Sudão do Sul e do Sudão.

Neste aspecto, deverão avaliar as recomendações dos ministros da Defesa sobre a região dos Grandes Lagos, para debelar os focos de instabilidade nestes países membros.

Os Chefes de Estado e de Governo vão ainda avaliar as recomendações dos ministros ligados à exploração mineira, para evitar que os recursos resultantes desta actividade, algumas vezes ilegais, sejam usados para financiar conflitos em países da região.

A agenda reserva também a análise da proposta dos ministros ligados à juventude, sobre a criação de mais postos de empregos para a camada juvenil, visando garantir a sua inserção social e económica, pelo seu impacto na estabilidade social.

O orçamento da organização para os próximos dois anos e a questão do fundo especial para a reconstrução e desenvolvimento regionais constam igualmente da agenda da VII cimeira de Chefe de Estado e de Governo da CIRGL, que vai decorrer sob o lema: “Acelerar a implementação do pacto para garantir a estabilidade e o desenvolvimento da região dos Grandes Lagos”.

No final da reunião deverá ser adoptada a “Declaração de Brazzaville”, que deverá conter recomendações para a estabilidade política e o desenvolvimento da região.

A Cimeira é o órgão máximo da Conferência, sendo presidida “por um Chefe de Estado ou de Governo de um Estado membro, por rotatividade”.

Norteiam a CIRGL, quatro eixos fundamentais, nomeadamente, a paz e segurança; democracia e boa governação; desenvolvimento económico e integração regional, bem como questões humanitárias e sociais. Integram a CIRGL as repúblicas de Angola, Burundi, Centro-Africana, do Congo, Democrática do Congo, Quénia, Uganda, Ruanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia.

Ainda nesta quinta-feira, Brazzaville vai acolher a VIII reunião de alto nível do mecanismo regional de supervisão do quadro de paz, segurança e cooperação para a RDC e a região dos Grandes Lagos, com a participação de representantes da União Africana e das Nações Unidas.