wrapper

logo min

pten

MERCADORIAS. Movimento nos portos esteve ligeiramente em baixa no primeiro trimestre do ano. Porto de Luanda, maior do país, reclamou 77,8% de toda a carga nesse período.

20668165 791250151000137 1992836886 n

Os portos nacionais registaram a entrada, no primeiro trimestre deste ano, de um total de 1,5 milhões de toneladas de mercadorias, menos 82,1 mil em relação ao período homólogo, representando uma quebra de 5,13%, segundo dados do Conselho Nacional de Carregadores (CNC), a que o VALOR teve acesso.

O Porto de Luanda foi o que mais carga recebeu, mesmo tendo registado uma baixa de 6,53% em comparação a 2016. No total, a unidade absorveu 1,17 milhões toneladas de carga (77,8%), enquanto o do Lobito reclamou 211,2 mil toneladas (13,9%).

Seguiram-se os Portos do Namibe, Cabinda, Amboim e o do Soyo com 21,7 mil (ver gráfico abaixo sobre importação). Em relação a quebras, o Porto de Cabinda recebeu menos 23,59% de carga em relação ao período homólogo, o do Lobito 6,93%. Em sentido contrário, andaram os Portos do Namibe (mais 5,68%), Soyo (mais 12,02%) e Amboim (mais 861,87%) que registaram variação positiva na carga desembarcada. Na vertente exportação, o Porto do Namibe liderou com 73,15% da carga, seguido dos Portos do Soyo, com 12,8% e de Luanda com 10,16%, com este último a registar, nesse período, o maior fluxo de unidades contentorizadas.

No total, foram 53.602, o que representou 82,5% do total de unidades que saiu no país durante o período. O registo representa um aumento de 0,22%, face ao período homólogo. Em termos percentuais, foi, entretanto, o Porto Amboim o que obteve o maior registo, atingindo uma variação positiva superior a 92%.

O Porto do Lobito, com mais 37,77%, e o Porto do Soyo, com mais 33,46%, seguiram-se. De um modo geral, segundo o relatório, houve um aumento de 2,24% no número de contentores de cargas, face ao primeiro trimestre do ano passado.

Ásia na liderança

A Ásia lidera a lista dos continentes que mais exportaram para Angola no período em referência, reclamando 39,5% para 599,6 mil toneladas. Entretanto, o continente registou uma queda de 10,22%.

A Europa foi o segundo com 35,3% do total (535,107,82 toneladas), seguida da América do Sul (13,1%).

Tailândia, Portugal e Brasil foram os países que mais exportaram para Angola. Segundo o relatório do CNC do primeiro trimestre, registou-se 13,3% da quota das exportações e uma variação positiva de mais 171,28% relativamente ao mesmo período de 2016.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao