wrapper

logo min

Portuguese English

RELAÇÕES BILATERAIS. Financiamento da China para Angola, desde 2004, atingiu 15 mil milhões de dólares, através de linhas de crédito, montante reembolsado com exportação de petróleo.

 

O ministro e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Manuel da Cruz Neto, reconheceu, na abertura do Fórum de Investimento Angola-China, realizado em Luanda, o papel “essencial” do investimento chinês em Angola, tendo revelado que, desde 2004, o crédito do país asiático a Angola atingiu os 15 mil milhões de dólares.

O fórum, promovido pela Unidade Técnica para o Investimento privado (UTIP) da Casa Civil do Presidente da República, juntou mais de 400 empresários, entre angolanos e chineses, com o objectivo de captar investimento privado e incentivar a exportação de produtos angolanos para o país asiático.

O volume dos acordos de intenção e a tramitação de projectos de investimentos assinados no Fórum de Investimento Angola-China ficaram avaliados em 1,29 mil milhões de dólares, para 48 projectos em diferentes áreas. O embaixador da China em Angola, Cui Aimin, revelou que, este ano, mais de 100 novos projectos para investimentos chineses foram identificados, nos sectores da construção, infra-estruturas, indústria, agricultura, energia e águas, recursos minerais, habitação e educação.

Cui Aimin reiterou a continuidade do apoio do seu governo nos projectos de infra-estruturas e encorajou as empresas chinesas a alterar o modelo de operação em Angola, privilegiando a operação local.

Barreiras afastam investidores

O presidente da Camara de Comércio Angola- China, Manuel Arnaldo Calado, criticou a “excessiva” burocracia que os potenciais investidores encontram em Angola.

Ao VE, Manuel Calado apontou a burocracia como sendo o principal “inimigo” que Angola tem. Por isso, prometeu lutar para reduzir ao ponto que “este mal” não prejudique as empresas. A projecção de Angola sobre o ambiente de negócio ‘Doing Business’ continua negativa. Na classificação de 2017, desceu da 181ª para a 182.ª posição.

O economista Lopes Paulo defende que, apesar de o país estar a fazer reformas, “precisa de perceber que os outros também estão a fazer e, se calhar, melhor”. E entende que a realização do fórum “é louvável”, lembrando ser importante fazer-se uma intropecção sobre onde estão os entraves da economia nacional.

 

Comentários

A Informação mais vista

+ Opiniões

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao