wrapper

logo min

pten
Fredros Okumu

Fredros Okumu

Porque é que a malária está novamente em ascensão?

Os mosquitos são frequentemente descritos como os animais mais perigosos do planeta, porque as doenças que transmitem - incluindo malária, dengue e zika - causam mais de um milhão de mortes por ano. Mas as estratégias para mitigar essas ameaças continuam a estar longe de serem adequadas. Veja-se o caso da malária que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, infectou mais de 200 milhões de pessoas em 2017, matando 435 mil. Até à década de 1940, mais ou menos, as estratégias para combater a malária baseavam-se em três pilares: melhor gestão ambiental, melhoria das habitações e sistemas de saúde mais sólidos. Como parte integrante dos mecanismos de transmissão da malária (descritos pela primeira vez há mais de 100 anos), as autoridades de saúde pública concentraram-se na redução da proliferação do mosquito Anopheles, na exposição das pessoas ao mesmo e no seu acesso a cuidados médicos apropriados.

Os países que adoptaram essa abordagem obtiveram grandes progressos - e, na maioria dos casos, mantiveram-se livres de malária. Nos EUA, por exemplo, as mortes por malária diminuíram até 75%, entre 1920 e 1939.

Depois, na década de 1940, a chegada do inseticida Dichlorodifenyltrichloroethane (DDT), altamente eficaz mudou tudo. O DDT tornou-se rapidamente o pilar das estratégias de controlo da malária, incluindo a primeira tentativa de erradicar a malária a nível global. Graças à sua ampla utilização, foram realizados progressos substanciais no que diz respeito à malária na Europa, nas Américas, nas Caraíbas e em algumas zonas da Ásia.

Em África, no entanto, a campanha da malária baseada no DDT, em grande medida, nunca chegou a ver a luz do dia, devido a uma fraca capacidade logística, sistemas ineficazes de administração de saúde pública ou à falta de recursos para ampliar a utilização. A partir da década de 1960, os casos de malária dispararam em todo o continente.

Mas o mundo começou a prestar atenção apenas no final da década de 1990, quando a malária estava a causar mais de um milhão de mortes por ano e a contribuir para a estagnação económica através da perda de produtividade laboral. Por fim, em 2000, chefes de Estado e de governo africanos reuniram-se em Abuja, Nigéria, para enfrentarem a situação de emergência, prometendo reduzir para metade a mortalidade causada pela malária, até 2010.

No entanto, confrontados com recursos e capacidades limitados, os governos assumiram grande parte da responsabilidade de cumprirem o seu compromisso com doadores externos, parceiros bilaterais e agências não governamentais. As estratégias que surgiram enfatizaram a distribuição de produtos básicos fáceis de usar - incluindo insecticidas, mosquiteiros tratados com insecticida e medicamentos antimaláricos à base de artemisinina - e ampliaram o acesso ao diagnóstico atempado. De 2000 a 2015, o número de mortes por malária em África foi reduzido para metade e foram evitados 750 mil casos. Os especialistas atribuem o mérito, por 80% dessas melhorias, aos mosquiteiros tratados com insecticida, à pulverização doméstica e aos tratamentos à base de artemisinina. Mas, apesar das suas vantagens, há um problema sério com essa estratégia: ela estimulou o crescimento de uma indústria massiva de controlo da malária que está cada vez mais desligada da missão principal de manter as comunidades saudáveis.

Os países africanos mais afectados – Burkina-Faso, Camarões, República Democrática do Congo, Gana, Moçambique, Níger, Nigéria e Uganda, que juntos contabilizam 60% do peso mundial da malária - importam regularmente mosquiteiros, insecticidas e medicamentos promovidos pelos operadores do sector. No entanto, a malária está a crescer novamente, com o número a aumentar em 16 países africanos em mais de 100 mil novos casos, de 2016 a 2017, de acordo com a OMS. Também não ajuda o facto de a ‘mercantilização’ do controlo da malária ter contribuído para a redução da perícia funcional em malária nos países endémicos.

À medida que o mundo prossegue com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável - que incluem a meta de acabar com a epidemia de malária até 2030 - ele deve repensar a sua estratégia. Se as campanhas globais contra a malária regredirem, os casos de malária poderão aumentar em cerca de 74%, até 2030. Mas mesmo que as estratégias baseadas em produtos sejam mantidas, o resultado será apenas uma redução marginal da incidência mundial da malária em 2030, em relação a 2016.

É, por isso, que, à medida que os principais parceiros internacionais continuam a avançar na abordagem baseada em produtos, os governos africanos e outros parceiros deveriam procurar uma estratégia a longo prazo focada na construção de resiliência. Eles deveriam estar a localizar o fabrico de mosquiteiros, melhorar as habitações (por exemplo, examinar as janelas e fechar os beirais), garantir que os sistemas de saúde têm a capacidade de identificar e tratar novos casos de malária e expandir a educação em saúde nas escolas e comunidades.

Uma vez que a malária afecta desproporcionalmente as famílias mais pobres, também é necessário haver uma concentração no reforço da segurança alimentar e, de um modo mais geral, na melhoria dos orçamentos das famílias. Como esses programas não são normalmente geridos pelos ministérios da saúde, as alianças devem ser construídas em sectores relevantes. Essa abordagem holística será crucial para o progresso de toda a agenda dos ODS.

Para financiar esses esforços, os países deveriam aproveitar os recursos internos, subsídios, reduções de impostos ou outros mecanismos de financiamento inovadores, como uma taxa de 10 dólares para a malária paga pelos viajantes internacionais que visitem países endémicos. À medida que o progresso avança, a carga sobre os sistemas e economias nacionais de saúde será reduzida, libertando mais recursos para apoiar o progresso adicional no combate à malária e em áreas afins.

Os produtos podem continuar a gerar ganhos a curto prazo na luta contra a malária. Mas a única maneira de derrotar a doença de uma vez por todas é com uma estratégia de desenvolvimento de resiliência a longo prazo.

Director de Ciência do Instituto de Saúde Ifakara, na Tanzânia, biólogo especializado em mosquitos e em saúde pública

Read more...

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao