wrapper

logo min

pten
Fátima Al Ansar

Fátima Al Ansar

A feminização da política africana

No mês passado, o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, nomeou um novo gabinete. Dez das 20 posições foram para mulheres. Uma semana depois, o parlamento do país elegeu, por unanimidade, Sahle-Work Zewde a primeira mulher presidente da Etiópia e, uma semana depois, os legisladores nomearam Meaza Ashenafi para primeira mulher presidente do Supremo Tribunal.

A Etiópia não está sozinha. O presidente de Ruanda, Paul Kagame, instalou um novo gabinete com equilíbrio de género no mês passado. O Ruanda já tinha o maior percentual mundial de mulheres num parlamento nacional; agora, o país terá ainda mais mulheres líderes.

Enquanto a Etiópia e o Ruanda estão na vanguarda da pressão da África pela paridade de género na política, outros países africanos não estão muito atrás. Seis dos 20 maiores países do mundo, em termos de participação de cadeiras legislativas ocupadas por mulheres, encontram-se na África Subsariana. Em dois deles, na parte inferior da lista global - Nigéria e Mali - os políticos discutem maneiras de aumentar o número de representação de mulheres.

Esta mudança é tão inspiradora quanto histórica. Com a nomeação de tantas líderes jovens e energéticas - como Paula Ingabire, ministra de Comunicação e Tecnologia da Informação e Inovação do Ruanda, Kamissa Camara, ministra das Relações Exteriores do Mali, ou Bogolo Kenewendo, ministra do Comércio do Botsuana - os países africanos demonstram que as jovens podem aspirar e atingir metas impactantes. Estas mudanças são essenciais, não apenas por uma questão de justiça, mas também para a prosperidade de longo prazo em África. Num continente onde a idade média dos presidentes é de 62 anos, África precisa de mais mulheres jovens no poder de forma a reflectir o talento e os desejos da sua população jovem. Para sustentar o progresso socio-económico de África, as mulheres jovens devem estar em posições de liderança.

As mulheres experimentam o mundo de forma diferente do que os homens. Crescemos a navegar em normas e expectativas culturais que, embora certamente nos limitem, dão conhecimentos essenciais para a elaboração de políticas inclusivas. Um crescente corpo de evidências mostra que a liderança política das mulheres fortalece a capacidade de governação, melhora a cooperação com aliados e entre partidos e promove questões como licença parental e assistência infantil, acesso a reformas e a eliminação da violência baseada em género.

Embora não seja razoável - e de facto indesejável - esperar que as mulheres concordem com todas as questões ou sejam igualmente sensíveis ao género nas suas políticas. É justo supor que as ideias de uma líder feminina são formadas pelas suas experiências únicas. Como líderes em todos os lugares, esforçam-se para construir sociedades mais equitativas. Eles não devem subestimar a importância de dar voz à perícia feminina na política.

Em grande parte do mundo, e em muitos países africanos, acredita-se amplamente que o lugar de uma mulher é ficar em casa; o espaço público é considerado um domínio masculino. Quando os governos de África colocam as mulheres, de maneira ousada e intencional, nos órgãos de tomada de decisão e confiam-lhes o poder, desafiam directamente essas suposições ultrapassadas. Com modelos mais femininos, mulheres jovens e meninas poderão imaginar novas possibilidades de carreira; os pais podem traçar novos caminhos de sucesso para as suas filhas; os professores podem ensiná-las de maneira diferente; e as barreiras sociais e culturais cairão.

Alguns críticos argumentam que as quotas de género no governo são condescendentes e desnecessárias. Mas, em muitas partes do mundo, elas são essenciais. Em algumas sociedades, por exemplo, as mulheres não podem votar facilmente, o que significa que, mesmo quando as candidatas estão nas urnas, pode ser difícil conseguirem apoio eleitoral.

A Etiópia e o Ruanda reconheceram este desafio e passaram a abordá-lo. Além disso, ao nomear gabinetes equilibrados de género, os líderes estão intencionalmente a trazer, para a política, a experiência da vida: elas são amplamente superadas em número pelos homens, nas decisões. Estes dois governos agora têm a oportunidade de trazer a perspectiva das mulheres para enfrentar os desafios que os seus países enfrentam.

A criação de gabinetes com igualdade de géneros reforça a mensagem de que o progresso significa mais do que construir a capacidade individual. Pelo contrário, também requer a transformação das estruturas e instituições que governam a sociedade. Para as jovens mulheres africanas, as últimas semanas representam um marco na contínua pressão pela igualdade de género, marcando o início de uma nova era de progresso para o continente.

 

 

Fatima Al Ansar, Aluna da Academia Africana de Liderança, é chefe de missão no Ministério das Relações Exteriores e Cooperação Internacional do Mali, fundadora da Tilwalte Girls Peace Network, do Consórcio Oxford em Direitos Humanos 2017

Shona Bezanson Diretora Associada do Mastercard Foundation Scholars Program.

Read more...

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao