wrapper

logo min

pten
Akinwumi Adesina

Akinwumi Adesina

O futuro brilhante dos investidores em África

Para qualquer investidor interessado em África, na semana passada, só existia um lugar para se estar: Joanesburgo. O Fórum de Investimento em África decorreu durante três dias. As estimativas apontavam para um total de 61 negociações, com um valor de cerca mais de 40 mil milhões de dólares, apresentadas nas ‘Sessões na Sala de Reuniões do Conselho’, enquanto outros 28 mil milhões de dólares foram exibidos directamente aos investidores.

Os negócios foram seleccionados a partir de um total de 230 projectos que valem mais de 208 mil milhões de dólares, abrangendo sectores como a energia, infra-estruturas, transportes e serviços, indústria, agricultura, tecnologias de informação e comunicação, telecomunicações, água e saneamento, serviços financeiros, saúde, educação, hotelaria e turismo, habitação e aviação.

O risco, ou pelo menos a percepção dele, há muito que é o maior impedimento para se atrair investimentos directos estrangeiros em África. Mas o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) está a atacar este problema de frente ao retirar as barreiras que têm travado o fluxo de investimento financeiro para o continente. O Fórum de Investimento em África, baseado nas transacções, é o passo mais importante neste processo.

Ao reunir instituições financeiras multilaterais, fundos de pensão e soberanos e investidores privados, o BAD pretende criar um mecanismo para reduzir os riscos de mercado, políticos e financeiros e, no processo, melhorar a facilidade de fazer negócios. Como parte desse esforço, o fórum de investimento deu prioridade às parcerias público-privadas e aos negócios do sector privado. A mensagem que pretendemos entregar é simples: África está receptiva aos negócios.

As economias africanas oferecem enormes oportunidades, especialmente em energia; infra-estruturas, como estradas, ferrovias e portos; e agricultura, minerais, petróleo e gás. Mas África tem de transformar esse potencial em fluxos de riqueza, para uma maior prosperidade no continente. Alcançar essa meta requer políticas governamentais de apoio. Em todos os países, o BAD está a envolver-se com os governantes de forma a melhorar o ambiente jurídico e regulador e criar um clima empresarial mais previsível.

Estes esforços já estão a dar frutos. Por exemplo, o interesse ao equivalente a 50 mil milhões de dólares em projectos prontos para investimento, que disponibilizámos para um controlo pré-fórum, foi maior do que o previsto. Estamos muito satisfeitos com o facto de várias instituições financeiras multilaterais - incluindo a Corporação Financeira Internacional, o Banco Mundial, o Banco Asiático de Investimento em Infra-estruturas, o Banco Islâmico de Desenvolvimento, o Banco Europeu de Investimento, o Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento e o Banco Interamericano de Desenvolvimento - estarem a cooperar com o BAD neste esforço. Muitas das principais instituições financeiras de África - incluindo o Banco Afrexim, a Corporação Financeira Africana, o Banco de Comércio e Desenvolvimento, a África50 e o Banco de Desenvolvimento da África Austral - também estão envolvidas. Pela primeira vez, estas grandes instituições financeiras mundiais e regionais estão a cooperar para ajudar a reduzir os riscos dos projectos de investimento em escala.

É claro que as promessas de parceria não são a única razão para este optimismo; as tendências económicas também são fortes. Para começar, o crescimento real do PIB está previsto ser de 3,5% este ano e de 4% em 2019.

Hoje, África alberga cinco das dez economias que mais crescem no mundo. África também se tornou o segundo destino de investimento mais atractivo do mundo. Segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, o investimento directo estrangeiro (IDE) deve aumentar cerca de 20% este ano, para 50 mil milhões de dólares, contra os 42 mil milhões de dólares em 2017.

Por fim, os fundos de pensão, os fundos de seguro e os fundos soberanos de África estão colectivamente avaliados em mais de um bilião de dólares. Se África pudesse alavancar essa riqueza para atrair apenas 1% de todos os activos globais sob gestão, estimados num total de mais de 131 mil milhões de dólares, a necessidade que o continente tem de 130-170 mil milhões de dólares em investimento anual em infra-estruturas poderia ser satisfeita. No momento actual, África enfrenta uma lacuna de financiamento anual de 68-108 mil milhões de dólares.

África tem uma população enorme para impulsionar a procura do consumidor, uma classe média em ascensão, uma população jovem dinâmica e a rápida reforma dos governos que estejam interessados em atrair esses investimentos. O Fórum de Investimento em África fornece o que tem faltado até agora: um mercado seguro e estável para acelerar negociações.

África está a fazer a sua parte para transformar o cenário de investimento. O objectivo do Fórum de Investimento em África é simples: proporcionar um caminho suave para investimentos em África. O que precisamos agora é de investidores que estejam prontos para aproveitar as enormes oportunidades em África - e no principal mercado de investimentos do continente.

Read more...

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao