wrapper

logo min

pten
Simon Johnson

Simon Johnson

O futuro da convergência económica

Quem pode agora sustentar o rápido crescimento económico? A resposta a essa pergunta determinará não apenas a geografia da prosperidade nas próximas décadas, mas também como será o equilíbrio da actividade económica global em 2030 ou 2050. Cada vez mais parece plausível que esse equilíbrio se distancie dos EUA e aliados do pós-Segunda Guerra Mundial e se desloque em direcção às novas potenciais superpotências económicas, China e Índia.

No papel, o crescimento económico – um aumento sustentado da produtividade – pode parecer simples. A produtividade de uma economia, ou do produto ‘per capita’, é uma função do ‘stock’ de capital, mão-de-obra (o número de trabalhadores e qual grau de formação eles têm) e um resíduo reconhecidamente vago conhecido como ‘produtividade total dos factores’, que explica como o capital e o trabalho são organizados. A ideia básica por detrás do crescimento económico moderno – iniciado no final do século XVIII – é que envolve a construção de capital físico (edifícios, máquinas e infra-estruturas), aumentando os níveis de educação e combinando esses ‘factores de produção’ de maneira a aumentar a produtividade. A inovação tecnológica, seja caseira ou importada, geralmente ajuda.

Não há segredos profundos aqui. Os países vêm crescendo dessa maneira há mais de 200 anos. Pode adaptar-se uma estratégia de crescimento com base nos recursos naturais, como carvão abundante ou acesso ao mar. Pode-se crescer confiando no papel mais forte do Estado (como em Singapura) ou confiando principalmente no sector privado (como em Hong-Kong). Porque, então, tantos países acham difícil crescer de maneira sustentada? Porque 50 anos após o final da Segunda Guerra Mundial, houve pouca convergência no rendimento ‘per capita’.

As economias ricas (Europa Ocidental, EUA, Canadá e Austrália) avançaram firmemente, enquanto a maioria dos países mais pobres, apesar de alguns episódios de crescimento decente, não se aproximou significativamente dos níveis de produtividade e rendimento dos líderes da lista.

As relativamente poucas surpresas positivas de crescimento nos últimos 50 anos foram quase todas em países asiáticos que inicialmente se concentravam na exportação de produtos manufacturados baratos e depois encontravam maneira de melhorar a qualidade e oferecer produtos mais sofisticados. O Japão pode ser considerado o primeiro país não europeu a usar esse caminho de desenvolvimento; Coreia do Sul, Singapura, Hong-Kong e outros copiram os modelos. Muitas vezes, considera-se que o desenvolvimento da China segue linhas semelhantes, conforme está documentado num recente relatório do McKinsey Global Institute.

A explicação mais directa é que as elites desses países descobriram que se sairiam bem com as exportações associadas a um crescimento económico. Consequentemente, aplicaram essa política, mantiveram a corrupção sob controlo e fizeram com que os governos fossem trabalhando de maneira razoável. Analisando os dados recentes sobre o desempenho económico em todo o mundo, Arvind Subramanian, ex-assessor económico do primeiro-ministro indiano, e os seus colegas argumentam que a convergência no rendimento ‘per capita’ está a a consolidar-se de forma mais ampla. Isso é inteiramente plausível e pode significar que mais elites favorecem o crescimento. O efeito de demonstração da China pode ser convincente, com a lição de que é possível implementar as reformas necessárias para crescer rapidamente enquanto permanecer no poder. Isso pode parecer cínico, mas na verdade é uma mensagem optimista, pelo menos, em termos das perspectivas de reduzir a pobreza em todo o mundo.

Como resultado, há boas razões para pensar que a China e a Índia podem sustentar taxas de crescimento anuais de cerca de 7%, enquanto países desenvolvidos como os EUA tendem a uma média de crescimento de 2-3%. A extrapolação dessas taxas de crescimento sugere que os mercados emergentes poderiam representar mais de 50% do PIB mundial medido a taxas de câmbio de mercado até 2030. Certamente, haverá obstáculos na estrada, mas é provável que haja progresso constante.

O impacto sobre o sistema global, com a estrutura existente de instituições multilaterais (como o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio) e uma miríade de organizações que estabelecem padrões e consensos, pode ser menor do que se pensa. É difícil criar novas regras e normas. Como o sistema existente permite crescimento, por que não trabalhar apenas dentro dele?

Para os EUA, enquanto o dólar continua a ser a principal moeda de reserva do mundo e o seu porto seguro, o impacto de cair para segundo ou talvez até mesmo terceiro lugar, em termos de produção económica, pode não ser tão grande. Na verdade, os EUA poderiam sair-se bem como fonte de inovação de novos produtos, vendendo para um mercado global maior.

Os principais factores que prejudicam as perspectivas de prosperidade dos EUA são, em grande parte, o resultado das suas próprias decisões políticas. Défices fiscais insustentáveis, uma política comercial questionável, um alto nível de desigualdade, infra-estrutura em ruínas, escolas de baixo desempenho e cuidados de saúde inacessíveis são o resultado de escolhas domésticas. Se os norte-americanos lidam ou não com essas questões tem pouco que ver com a China ou a Índia.

Antigo economista-chefe da FMI, professor do Peterson Institute for International Economics.

Read more...

Os cortes pouco éticos de Trump na ajuda externa

Quando os americanos são questionados sobre a percentagem de gastos do governo dos EUA para a ajuda externa, a resposta geralmente é de 25%. Mas, a resposta correcta é 1%. Não é pois de admirar que, quando o presidente Donald Trump justifica o corte na ajuda externa com o argumento de que os outros países precisam aumentá-la porque não estão a pagar parcela justa, muitas pessoas acreditem nele. A verdade é que são os Estados Unidos que não estão a pagar a sua parcela justa. Há muito tempo que as Nações Unidas pediram aos países ricos que aumentem a ajuda externa para 0,7% do rendimento nacional bruto (o que, é claro, é muito diferente dos gastos do governo). Em 2016, de acordo com os números da OCDE, os Emirados Árabes Unidos, Noruega, Luxemburgo, Suécia, Dinamarca, Turquia, Reino Unido e Alemanha atingiram esse nível. Em contrapartida, a ajuda oficial dos EUA representou apenas 0,18% do rendimento nacional bruto, ou 18 cêntimos por cada 100 dólares ganhos. Em termos absolutos, os EUA ainda gastaram mais em ajuda externa do que qualquer um dos países que atingiram este objectivo. Mas a Alemanha, apesar de ter uma economia inferior a um quarto da dimensão dos EUA, ficou apenas um pouco abaixo em nove mil milhões de dólares.

 Se os cortes propostos por Trump forem implementados, enquanto a Alemanha mantém os seus gastos na ajuda, os EUA deixarão de ser o maior doador, mesmo em termos absolutos. Outra comparação significativa é com o Reino Unido, que claramente não é tão rico quanto os EUA – o seu PIB per capita é 31% inferior. No entanto, há alguns anos, com o suporte bipartidário, atingiu o nível recomendado de 0,7% - mais de três vezes a proporção da renda nacional bruta gasta pelos EUA. Desde então, mantém esse nível. Nem todos as ajudas dos EUA são direccionadas para os mais necessitados. Os três países que recebem a maior parte da ajuda ao desenvolvimento dos EUA são o Afeganistão, a Jordânia e o Paquistão. Estas escolhas são, obviamente, baseadas no que são percebidos como interesses geopolíticos dos EUA, e não na agudeza da necessidade de ajuda ao desenvolvimento dos países. Aqueles que sabem o que os cortes de ajuda dos EUA significariam para algumas das pessoas mais pobres do mundo estão consternados com esta perspectiva. Alex Thier, que conseguiu programas de ajuda do governo dos EUA de mil milhões de dólares, antes de se tornar director-executivo do Overseas Development Institute, em Londres, foi visitar uma clínica de saúde em Buikwe, Uganda, quando recebeu a notícia da proposta de orçamento de Trump, o que significaria cortes profundos nas tais instalações.

A clínica de Buikwe, que trata 33 mil pessoas, tem um orçamento mensal de 150 de dólares. No dia da visita de Thier, houve 40 infecções confirmadas por malária e a malária continua a ser o principal assassino no distrito, apesar de poder ser tratada por três dólares. A discrepância gritante entre o custo de tratar a doença e prevenir a morte no Uganda e os EUA torna a redução proposta por Trump nos gastos em ajuda - especialmente em programas de saúde globais - indicativo de profundo desrespeito pela vida e bem-estar das pessoas além-fronteiras dos EUA. Quando se considera a baixa proporção do rendimento bruto que os EUA concedem como ajuda externa, a decisão de Trump torna-se ainda mais vergonhosa. Às vezes, é dito que não devemos dar ajuda porque cria dependência. Sejamos claros: os choques de ajuda propostos por Trump fariam com que muitas pessoas morressem, e muitas mais enfrentem o sofrimento adicional de doenças e deficiências que poderiam ter sido evitadas com melhores cuidados de saúde. Para utilizar a possibilidade de criar dependência para assim justificar os cortes, precisamos de evidências sólidas, não só de que alguns programas de ajuda criam dependência, mas que programas específicos de saúde global afectados negativamente pelos cortes realmente criam dependência. Na ausência de tal evidência, uma hipótese não comprovada é motivo insuficiente para que pessoas morram ou aumentem o seu sofrimento.

O Uganda parece ser um exemplo de um país que recebe uma quantidade significativa de ajuda e, ao mesmo tempo, ao contrário da hipótese de que a ajuda externa cria dependência, está a ter um rápido progresso económico. O número de ugandeses que vivem na extrema pobreza, conforme definido pelo Banco Mundial, caiu de 53% em 2006 para 34% em 2013. Na verdade, muitos países africanos estão cada vez mais a compartilhar o fardo, colectando muito mais das suas próprias receitas e gastando em áreas como a saúde e educação. Estes esforços para aumentar mais os recursos também são apoiados por doadores, incluindo os EUA. No entanto, na proposta de orçamento de Trump, a participação dos EUA nesse apoio seria eliminada.

Os cortes propostos pelos EUA nos programas globais de saúde vão economizar cerca de 2,3 mil milhões de dólares. Com o total estimado de gastos do governo federal para 2017 de cerca de quatro triliões de dólares, o que equivale a cerca de um dólar por cada 2.000 dólares que o governo provavelmente irá gastar. Em termos de boas práticas, estes programas de saúde globais podem oferecer o melhor valor de qualquer programa do governo federal. Todos os cortes de ajuda, na saúde mundial e noutros programas, bem como na diplomacia e esforços de paz, totalizam 19 mil milhões de dólares, ainda menos de 0,5% das despesas do governo federal.

Há sinais positivos de que alguns republicanos do Congresso dos EUA irão resistir aos cortes profundos propostos por Trump na ajuda externa dos EUA. Esperemos que assim seja. A ajuda externa - especialmente a ajuda que salva vidas e reduz o sofrimento humano - não deve ser uma questão partidária.

 

Professor de Bioetica na Universidade de Princeton e Professor Laureado na Universidade de Melbourne. Os seus livros mais recentes incluem Um Mundo Agora e Ética no Mundo Real.

Read more...

Um milagre 
económico europeu?

Há alguns anos, a zona euro – que representa cerca de 1/6 da economia mundial - parecia estar em sérios problemas. A partir de 2010, uma crise inesperada da dívida soberana contribuiu para - e foi agravada por - graves deficiências nos principais bancos. A austeridade fiscal na Grécia e noutros países relativamente fracos ajudaram a impulsionar uma recessão económica global. Na ausência de um apoio mútuo generoso, houve uma aura de desespero quando, em Março de 2015, o Banco Central Europeu anunciou um ambicioso programa de compra de dívida pública.

Pouco mais de dois anos depois, a situação parece ser muito mais positiva. O último relatório do Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento de 1,7% em 2017 para a zona euro e um crescimento de 1,6% em 2018 - uma melhoria notável comparada aos anos anteriores, quando a região lutava para ultrapassar a fasquia de 1%. As recentes preocupações de solvência em relação a alguns bancos mais pequenos de Itália e da Espanha foram resolvidas sem causar uma disrupção significativa. E, numa recente conferência do BCE em que participei, houve uma discussão de quando o BCE poderia reduzir as suas intervenções e talvez começar a aumentar as taxas de juros. (Todas as sessões foram gravadas e com transmissão em directo).

O quadro macroeconómico imediato permanece, todavia, um tanto obscuro. Na manhã de 27 de Junho, os mercados financeiros pensaram que o presidente do BCE, Mario Draghi, teria falado de uma forma mais positiva sobre o crescimento em comparação aos anos anteriores, e o valor do euro fortaleceu significativamente. Na manhã seguinte, altos funcionários do BCE foram citados dizendo que as observações de Draghi foram sobrestimadas - e o euro caiu.

A verdadeira questão é o que vem depois, e este foi o tema da conferência: o que devemos esperar em termos do potencial de crescimento da Europa a médio prazo? Em particular, enquanto as taxas de juros permanecerem baixas, o actual nível de dívida pública em países como a Itália continua a ser gerível. Mas, à medida que as taxas de juros aumentam, haverá um crescimento suficiente para sustentar a expectativa de que os níveis da dívida pública são sustentáveis?

As conquistas pró-crescimento dos últimos anos são reais. As políticas de taxas de juros baixas (de facto, negativas) do BCE ajudaram a manter o crédito de uma forma geral e garantir o financiamento contínuo dos déficits governamentais em particular. Isto retirou pressão sobre a política fiscal - e houve menos austeridade do que anteriormente parecia provável. Os bancos foram gradualmente criando uma base mais sustentável, com mais capital social para absorver perdas. Há também algumas evidências de que a concorrência nos mercados de produtos aumentou, talvez devido a uma regulação mais relaxada. Mas há também más notícias, embora nem todas sejam específicas da zona euro. Nos países industrializados, houve um abrandamento no crescimento da produtividade - e, portanto, no crescimento económico em geral - que aparece agora ter tido início por volta do ano 2000. A explicação para tal continua a ser dúbia, mas a visão predominante é que, enquanto o advento das novas tecnologias de informação teve algum impacto definitivamente positivo na produtividade na década de 1990, os ganhos não demonstraram ser suficientemente duradouros ou generalizados. Além disso, o padrão preciso de mudanças tecnológicas tem pressionado a classe média em todo o mundo - reduzindo a procura por trabalhadores que possuem apenas o ensino secundário. Isto implica um crescimento fraco e um aumento da desigualdade, uma combinação que pode prejudicar ainda mais os níveis de educação e competências. Ao mesmo tempo, as tendências demográficas europeias são motivo de preocupação. O envelhecimento da população significa mais aposentados - esperando pensões públicas - em relação ao número de pessoas economicamente activas. A Europa tem vindo a receber um número significativo de imigrantes oriundos de países como a Síria, a Líbia e o Afeganistão; mas muitos dos recém-chegados possuem pouca instrução, e encontrar emprego torna-se difícil.

Mais inovação poderia definitivamente ajudar. Mesmo os pessimistas reconhecem a incipiente onda de tecnologia nas ciências da vida, inteligência artificial e na robótica em todo o mundo. Mas, à medida que a China continua a emergir como uma força na área de investigação, há uma crescente pressão sobre a Europa para continuar. Seria um erro descartar para já a Europa. O seu capital humano é sólido, os cuidados de saúde estão disponíveis para mais pessoas do que nos EUA e empresas mais fortes estão a surgir através do processo de integração dos mercados nacionais. Além disso, a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia parece ter penetrado nas mentes dos líderes continentais. Ninguém quer repetir os erros políticos de 2010-2014. O presidente francês, Emmanuel Macron, propõe uma autoridade central mais forte, incluindo um potencial ministério das finanças. Se os alemães concordam, parece ser pouco claro, mas vale lembrar que construir uma união fiscal nos EUA levou muito tempo (e, em certo sentido, permanece um projecto inacabado).

A maior fonte de preocupação poderá estar nos desequilíbrios dentro da zona euro. A economia alemã é forte: crescimento de 1,5-1,6%, emprego quase pleno e um grande superavit em contas correntes. A economia espanhola melhorou bastante, com um crescimento de 2,6%, mas o desemprego permanece teimoso - e perturbadoramente - alto, em torno dos 18%. A Itália continua a ser a grande questão, com o FMI a prever para este ano e no próximo, um crescimento do PIB de 0,8%. Será que as empresas familiares do norte da Itália conseguem novamente provar que são capazes de crescer nos mercados internacionais cada vez mais difíceis? Será que a próxima onda de novas tecnologias ajudará ou irá prejudicá-las? A França, também, continua a ser uma incógnita. Será que a grande transformação da política francesa de Macron levará a reformas que aumentem o crescimento? Se tal não acontecer, a Alemanha pode estar menos inclinada em juntar-se a Macron no processo de integração da zona euro.

Acima de tudo, a zona euro - ou talvez a UE - deve encontrar formas de garantir que todos cresçam e beneficiem do crescimento. Se será bem-sucedida ou não, ainda não sabemos. O que é certo é que, num ambiente como o actual, onde o pior parece já ter passado, a tarefa tornou-se mais fácil.

 

Ex-economista chefe do FMI, professor no MIT e no Instituto Peterson para Economia Internacional. É co-autor de várias livros e fundador do blog O cenário de base.

Read more...

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

comercial@gem.co.ao