wrapper

logo min

pten

AQUECIMENTO GLOBAL. Maiores perdas de espécies foram registadas no Mar do Japão, no Mar do Norte, no litoral ibérico, no Pacífico norte e na zona entre a Irlanda e França.

naom 5b62dc14af359

As alterações climáticas estão a diminuir as zonas de pesca em todo o mundo, já afectadas pela pesca excessiva, indica um estudo da Universidade Rutgers, dos Estados Unidos, publicado na revista ‘Science Today’.

Segundo o estudo, o aquecimento dos oceanos levou a uma queda estimada de 4,1% das capturas sustentadas de muitas espécies de peixes e moluscos entre 1930 e 2010. Em cinco regiões do mundo, incluindo o mar da China e o mar do Norte, o declínio foi de 15% a 35%.

“Recomendamos que os responsáveis pelo sector eliminem a pesca excessiva, reconstruam as zonas de pesca e que tenham em conta as alterações climáticas nas decisões em relação à pesca”, disse Chris Free, investigador da Rutgers que liderou a pesquisa.

O responsável alertou para as disparidades regionais na captura de peixes e defendeu que se façam acordos comerciais e parcerias para partilha de recursos pesqueiros entre as regiões mais e menos favorecidas.

O pescado é uma fonte de nutrição cada vez mais importante e fornece até metade da proteína animal em países em desenvolvimento com ligação ao mar. O sector dá trabalho a mais de 56 milhões de pessoas, indica a publicação.

Malin Pinsky, também autor do estudo e professor associado do departamento de Ecologia, Evolução e Recursos Naturais da Rutgers, disse que foi um choque descobrir que “os bancos de pesca à volta do mundo já reagiram ao aquecimento dos oceanos”.

O estudo indica que o aquecimento da água foi negativo para muitas espécies, mas beneficiou outras, apesar de os investigadores advertirem que esses efeitos positivos em algumas espécies são temporários porque a continuação da subida da temperatura do mar vai acabar por prejudicar também essas espécies.

Os cientistas estudaram o impacto do aquecimento dos oceanos em 235 populações de 124 espécies em 38 zonas ecológicas do mundo. As espécies incluíram peixes, crustáceos e moluscos.

Segundo o estudo, as maiores perdas de espécies foram registadas no Mar do Japão, no Mar do Norte, no litoral ibérico, na Corrente de Kuroshio (Pacífico norte) e na zona Celta-Biscaia, entre a Irlanda e França.

A ganhar com o aquecimento ficaram as regiões de Labrador-Terra Nova (Leste do Canadá), o Mar Báltico, o oceano Índico e o Nordeste dos Estados Unidos.

 

Comentários

A Informação mais vista

O Valor Económico

É o órgão de eleição para a divulgação da sua marca entre os públicos mais exigentes, designadamente decisores políticos e empresários, profissionais médios e estudantes universitários. Pauta-se pelo rigor da informação e da análise dos temas relevantes que afectam directa ou indirectamente a economia angolana e internacional e afirma-se como espaço de promoção de ideias, através da opinião e do debate.

NewsLetter

Contactos

Para anunciar no Valor Económico, entre em contacto connosco.

Rua Fernão Mendes Pinto, Nº 35, Bairro Alvalade,
Distrito da Maianga – Luanda.

Comercial Telemóveis:

(Geovana Fernandes):

+244 941 784 792

(Arieth Lopes)

+244 941 784 791

Telefones:
+244 222 320510 / 222 320514

[email protected]